Caso 10: laboratório

Ver caso clínico >

MOTIVO DA CONSULTA:
Reabilitação Fixa do sector anterior, lado direito, após correcção cirúrgica de fenda labial e palatina.

DIAGNÓSTICO:
Paciente do sexo feminino, com 20 anos de idade, não fumadora, submetida a várias cirurgias correctivas de fenda labial e palatina.Com ausência dos dentes 1.2 e 1.5 a paciente apresentava uma área edentula significativa entre o dente 1.3 e o dente 1.1.O incisivo central direito, em resultado de um traumatismo, apresentava-se necrosado e com uma extensa restauração em resina composta. A paciente era portadora de um aparelho ortôdontico de contenção com dois dentes de prótese incluídos e com um arco vestibular. A zona da fenda apresenta uma significativa deformidade dos tecidos duros e moles.

PLANO DE TRATAMENTO:
Foi realizado de imediato o tratamento endodôntico radical do dente 1.1,entretanto, foi realizada uma TAC para avaliação do património ósseo remanescente na zona da fenda. O remanescente ósseo mostrou-se muito reduzido em termos verticais e horizontais. A dificuldade de regenerar o património ósseo, bem como a dificuldade em ter tecidos moles para recobrir o enxerto, condicionou a nossa opção. Assim, foi planeada a realização de uma ponte com infra-estrutura em zircónio, revestida a cerâmica, com os dente 1.4/1.3 e 1.1 como pilares e com a colocação de dois dentes pônticos na zona edentula. A ponte incluiria um componente de cerâmica de tonalidade gengival para reabilitar os tecidos moles ausentes.

NOTAS DA COLABORAÇÃO “MÉDICO DENTISTA & TÉCNICO DE PRÓTESE DENTÁRIA”:
Na reabilitação estética de pacientes fissurados, primeiro devemos procurar estudar como restabelecer a simetria da arcada dentária e em seguida estudar como compensar a deformidade dos tecidos moles mantendo essa mesma simetria Nesse sentido a prótese provisória realizada em laboratório seguiu já essa abordagem. Primeiro procurou-se a simetria da arcada, com a confecção de dentes provisórios parecidos com os homólogos naturais e depois foi incluído um componente acrílico com tonalidade gengival com o objectivo de reabilitar a deformidade na zona da fenda, fazendo a compensação. Foi incluído um reforço metálico na provisória e os preparos no modelo foram minimamente invasivos e orientados pelo médico dentista. O modelo de trabalho foi obtido através de uma impressão utilizando uma técnica de dupla mistura.No laboratório, foi utilizada a tecnologia de CAD-CAM para a confecção de uma infra-estrutura em zircónio. Na ponte provisória, nós e a paciente notamos a necessidade de procurar uma maior simetria na forma e dimensões dos dentes a reabilitar em relação aos homólogos do 2º quadrante. Nesse sentido foi utilizado um efeito “tipo espelho” no desenho CAD da infra-estrutura, que permitiu mimetizar na peça protética a forma e dimensão dos dentes naturais homólogos. O desenho da infra-estrutura também incluiu uma aleta em zircónio que recobriria a superfície palatina não preparada do dente 2.1. A aleta serviria como um apoio adicional e simultaneamente, evitaria no futuro a abertura de um diastema entre os incisivos centrais O levantamento da cor dos dentes e dos tecidos moles foi feito no consultório pelo ceramista. Após avaliação do trabalho final em boca e aprovação pela paciente, a ponte foi colada. A colagem foi optimizada com a adição de um “liner de zircónio” no seu interior bem como na superfície interna da aleta. O tratamento mostrou-se esteticamente aceitável e funcionalmente capaz, contribuindo fortemente para a melhoria da auto-estima da paciente.